sábado, 22 de agosto de 2009

Aconteceu!!!!

Ola pessoas!!!
Estou um pouco ansiosa pra embarcar, como sempre, e sem contar q sou a rainha da ansiedade...então, pra o tempo passar mais rápido andei pesquisando sobre o navio, pois é bom já chegar sabendo o q já aconteceu, ou até como é o navio ne??? e olha só o que eu achei....Antes de qualquer comentário, EU NÃO TENHO UM PINGO DE MEDO, de verdade, n tenho medo dessas coisas, axo que em navio é diferente de avião, se n houver pânico, tudo se resolve, mas é nessa hora que vemos o quanto o Drill e importante, por mais que a gente reclame...hauhauauah..vejam ai...

Em 23 de março de 2006, aproximadamente às 3 horas da manhã, houve um incêndio no compartimento dos passageiros, a meia nau, a bombordo do navio Star Princess. Pouco depois, o comandante geral fez soar o sinal de emergência e sete sons curtos seguidos de um longa sopro no apito do navio, que acordou de passageiros por todo o navio. Os passageiros foram para os postos de reunião, as chamada Muster Stations, refugiados foram combinados em grupos, então estacionado em salas apertadas durante cerca de sete horas. Alguns passageiros que precisavam de medicação regular, os membros da tripulação se deslocaram para suas suítes e recuperar a sua medicação. Os passageiros evacuaram seus camarotes em áreas públicas através de corredores esfumaçado, agarrando seus coletes. Embarcações foram rebaixados, mas revelaram-se inúteis, pois o fogo foi contido e encharcado, e o navio se dirigiu em Montego Bay sob seu próprio poder. Com a única exceção abaixo, não houve perda de vidas, com exce,ão da citada logo a seguir. O incêndio foi provavelmente causado por um cigarro deixado queimando em uma varanda, que se tornou quente o suficiente para derreter o balcão de plástico policarbonato (um material que havia sido aprovado por normas internacionais de segurança da linha de cruzeiros) que divide as varandas das cabines. O fogo causou danos em pelo menos 150 cabines, e os danos do fumo em pelo menos mais 100 passageiros no convés 9 a 12 (Dolphin, Caribe, Baja e decks Aloha). Um passageiro, Richard Liffidge, 72, da Geórgia, morreu de "secundária à asfixia por inalação de fumaça e gases irrespiráveis" e outros onze passageiros sofreram inalação da fumaça significativa.

http://www.cruise-ship-report.com/News/051306.htm



2 comentários:

Manu disse...

Eu ja sabia desse episodio pq tive colegas de equipe que estavam no Star quando aconteceu. Sem contar que sempre que quando tivemos uma conversa sobre segurança o carinha falou do fogo e perguntou se tinha alguém que estava lá.. e ainda falou de quando o Crown inclinou tbm.. segundo ele nao sou a pessoa mais indicada para estar perto de um principio de fogo! hehehe (só pq nao hora nao respondi direito o que devria ter feito - eu nao tava prestando atençao até entao :P)

eLi disse...

WOW!
Que susto, né?! Infelismente o que deve ter pesado naquela única morte foi a condição física do idoso.
Irresponsabilidade que gera acidentes.
Nessas horas é preciso estar o mais calmo possível para tomar atitudes que aprendemos somente no STCW e que com o tempo pode-se esquecer. É daqueles conhecimentos que aprendemos e torcemos para não utilizar (mas, como você mesmo colocou aqui, é preciso usar às vezes). Espero que no MSC Musica eu não passe por isso quando embarcar (apesar de que acidentes não são previsíveis, certo??).

(Lembro do nosso instrutor que disse que os passageiros têm em nós, tripulantes, a segurança da vida deles nesses momentos [mal sabendo eles que nós, quase sempre marinheiros de primeira viagem, estamos com o mesmo temor dos passageiros!])

Beijão!!! E obrigado por essas experiências compartilhadas!